sábado, 19 de agosto de 2017

As pedras que ainda rolam e lançam bons discos

O fim de 2016 viu o lançamento de mais um álbum dos veteranos, mas ainda enérgicos, Rolling Stones. Um disco despretensioso, mas ainda assim com qualidade para mostrar que os Stones não se tornaram clássicos por sorte (muito menos pela beleza, se me permitem a brincadeira). Eles se confundem com a história do rock e contribuíram muito para a popularização desse estilo. E já nos seus setenta anos ainda protagonizam performances grandiosas e quentes como pode ser visto no show em Cuba no ano passado, que virou um documentário (“Havana Moon”, que já está sendo mostrado no canal Bis da TV a cabo). Mas um currículo notável não é salvo-conduto para se produzir qualquer coisa. Pelo contrário, há sempre uma pressão grande por parte de público e crítica (os últimos em especial) para não deixar a qualidade cair, e, definitivamente, eles passaram longe de decepcionar.
Os Rolling Stones vieram com “Blue & Lonesome”, um disco que traz somente gravações de outros artistas, sem faixas com a tradicional assinatura “Jagger/Richards”. Mas não sem um motivo, já que resolveram fazer um mergulho no estilo e artistas que foram sua maior influência: o blues e seus heróis como Howlin’ Wolf, Little Walter e Willie Dixon. Foi o gosto comum pelo blues que aproximou Mick Jagger e Keith Richards: no primeiro instante para compartilhar discos e depois para tocar juntos. E o nome da banda vem do título de uma canção de um dos grandes mestres, Muddy Waters. Grandes devotos do blues, os Stones sempre registraram em seus álbuns clássicos como “Love in Vain”, de Robert Johnson, ou “Little Red Rooster”, de Willie Dixon. E ao falar dessa última música, é preciso abrir um parêntese para a grande contribuição dos Stones ao estilo, ao dá-lo visibilidade e praticamente promover o seu renascimento em sua própria terra, os EUA.
No fim dos anos 50 e começo dos 60 o blues andava em baixa nos EUA, mas florescia no outro lado do Atlântico, na Inglaterra de Jagger, Richards, Eric Clapton e John Mayall. Endeusados por esses artistas, nomes como Muddy Waters ou Howlin’ Wolf passavam dificuldades, perdendo vendas para o rock que havia conquistado a juventude. A redescoberta pelos ingleses fez com que o estilo viajasse de volta para os EUA e desse a justa projeção aos artistas que fazem parte da gênese do rock. Os Stones puseram “Little Red Rooster” no topo da parada britânica em 1964 ajudando a dar destaque para o blues eletrificado no melhor estilo de Chicago e da lendária Chess Records (gravadora sobre a qual já escrevi nessa coluna). Em suas primeiras turnês nos EUA, os Stones fizeram questão de convidar os mestres para suas aparições na TV, além de registrar algumas faixas no estúdio da Chess.
Com todo esse histórico e autoridade, os Stones apresentam um disco que é um tributo aos seus mestres e passa longe de ser uma imitação barata ou “mais do mesmo”. A gaita de Mick Jagger é competente e autêntica e faz frente a gaitistas de profissão. E seus vocais são precisos e sem grandes afetações, pecado que Jagger tem cometido recentemente. Aqui ele soa simples e direto como um autêntico blues exige. As guitarras de Ron Wood e Keith Richards têm sua devida proeminência, já que a base do disco é enxuta, com apenas alguns teclados e percussão somados ao quarteto mais o baixista Darryl Jones. A bateria de Charlie Watts, como sempre, é segura e irretocável. E para fechar com chave de ouro, ainda há a participação mais que especial de outro mestre do blues, Eric Clapton, que aparece em duas faixas com uma sonoridade que faz lembrar seu início de carreira na banda de John Mayall, quando era um purista do estilo.
Enfim, quem gosta de blues não pode perder esse disco, que faz um belo resgate da sonoridade eletrificada da escola de Chicago. E quem gosta de Stones, mas não conhece suas origens, é perfeito para entender a banda e quais foram suas verdadeiras influências.

(Publicado no Jornal das Lajes, fevereiro de 2017)

Nenhum comentário:

Postar um comentário